Sexta-feira, 26 de Agosto de 2005

Castelo de Montemor-o-Novo, um dos maiores de Portugal

IICastelo.jpg


Nova imagem (10).bmp


Nova imagem 2.jpg


1 Casa de Guarda
2 Torre do Relógio
3 Porta da Vila
4 Arco-sólios Tumulares
5 Convento da Saudação
6 Igreja de Santiago
7 Torre da Má-Hora


8 Igreja de S. João Baptista do Castelo
9 Paço dos Alcaides ou Paço Real


10 Ruínas da Antiga Cadeia
11 Matadouro Mourisco


12 Torre e Porta do Anjo ou do Bispo
13 Ruínas da Igreja de Santa Maria


A história do Castelo de Montemor-o-Novo começa com a ocupação deste espaço pelos romanos e também na época muçulmana, onde já existia um castelo edificado, factos que se vieram a comprovar mais tarde com intervenções arqueológicas, onde foram descobertos diversos vestígios.


A partir do século XIII, começam a ser construídas as muralhas e é a partir das mesmas que surge o castelo.


Por iniciativa de D. Dinis, com a colaboração da Coroa, dos Fidalgos e do Povo são realizadas grandes obras neste local, no ano de 1365.


Ao longo do século seguinte, século XV, o castelo sofre constantes remodelações, sendo continuamente adoptado à estratégia militar. Felizmente nunca fo­ram necessárias em caso de guerras que reclamassem a sua utilização na defesa da população e seus valores. Montemor-o-Novo foi sem­pre terra amante de justiça e paz. Estas obras estiveram a cargo do Mestre de pedraria Afonso Mendes de Oliveira.


A época do apogeu de Montemor-o-Novo foram os séculos XV e XVI, em que à prosperidade trazida pelo comércio se aliava o facto de a corte permanecer por largos períodos em Évora, o que tornava a vila palco frequente de acontecimentos políticos de relevo, com a realização de cortes e a permanência do rei no Paço dos Alcaides.


File0281n.jpgNova imagem1.png


File0275.jpg


Palácio dos Alcaides e Igreja de S. João Baptista</i>


Forais dos reis D. Sancho I (1203) e de D. Manuel (1503).


Em Montemor, em 1496, tomou D. Manuel I a decisão histórica de mandar descobrir o caminho marítimo para a Índia, durante os conselhos gerais que se realizaram na cidade.


No numeramento mandado realizar em 1527 por D. João III, o primeiro recenseamento à população feito em Portugal, contava 899 fogos, ficando em sexto lugar entre terras do Alentejo. D. Sebastião deu-lhe, em 1563, o título de Vila Notável, atendendo a que era "lugar antigo e de grande povoação" cercada e enobrecida de igrejas, templos, mosteiros e de muitos outros edifícios e casas nobres".


Pertencem a essa época algumas das mais importantes obras de arquitectura existentes na cidade, como a Misericórdia, os Conventos da Saudação, de S. Francisco e de St.º António, a Ermida de Nª Sr.ª da Visitação, o Hospital Velho e o portal da igreja de St.ª Maria do Bispo.


Teve um importante papel no combate à ocupação castelhana (1580 - 1640). No ano de 1642 é dada uma ordem régia para reedificação das muralhas.


Durante o terramoto de 1755, o espaço já se encontra quase como que abandonado.


Durante o século XVIII, dão-se várias obras de recuperação do espaço.


No plano histórico alguns acontecimentos sobressaem do pacato quotidiano da população. Entre eles destacam-se: a resistência à primeira invasão francesa, (início do séc. XIX) comandada por Junot, em 1808, junto á ponte de Lisboa; o estacionamento em 1834, do estado-maior do exército liberal chefiado por Saldanha, durante as lutas civis entre liberais e miguelistas; a visita de D. Maria II e D. Fernando II em 1843.


Em 1929, há registos da reparação de uma das torres. Durante o resto do século este castelo sofreu algumas perdas, tanto a nível das paredes do próprio edifício, como também das muralhas circundantes.


Torre do Relógio


File0283.jpgFile0278.jpg


A torre do Relógio voltada para a cidade actual mede vinte metros de altura, sem incluir o campanil, onde, ao longo dos sécu­los, serviram os montemorenses enquanto viveram, três honrados sinos, nas horas alegres e tristes, a to­dos convidando.


Foram eles: O Sino das Horas (1605); O Sino dos Quartos (1784); O Sino do Rebate (1777). Todos eles fabricados em bronze fundido, acabaram vítimas do seu trabalho.


Teria sido por colocação incorrecta do respectivo badalo? É essa a causa normal de os sinos racharem (se o badalo não bate na saliência interior mais elevada do respectivo sino). E continuamos à espera dos novos sinos?


O Sino das Horas, exemplar filipino de extraordinário volume e peso «era a peça mais arcaica do seu tipo no Concelho», segundo Túlio Espanca, no Inventário Artístico de Portugal.


Todos estes sinos estavam ultimamente fendidos. A Câmara Municipal (!) no princípio de Dezembro de 1966, teve de os partir para os enviar a uma fundição, mas perdeu-se o valor dessas preciosidades artísticas.


A Porta defendida por esta torre será provavelmente de origem romana, segundo alguns.


Entre esta porta e a torre do anjo, havia uma rua na qual estava o Paço Episcopal, construído logo após a Reconquista, onde os Ar­cebispos de Évora costumavam hospedar-se. Por isso o costume de chamarem a esta porta a Porta do Bispo e outros ainda a Porta da Vila. Junto à Muralha que vai desta torre à Torre de Santiago encontram-se alguns sarcófagos vazios. Era esta a porta principal e mais importante.


Torre e Porta de São Tiago


File0269c.jpg 


Também chamada do Sol, de Évora e popularmente, desde recuada época, da Má Hora, de Menagem e do Solar, situa-se na retaguarda da extinta Igreja Paroquial de Santiago, a nascente do Castelo.


File0306.jpg


File0307.jpg


 Poderosa e altaneira, foi restaurada pêlos Monumentos Na­cionais na década de 1950, juntamente com o troço da Muralha que a liga à Porta e Torre do Relógio.


File0284.jpg



 


A muralha que ligava esta Torre com a referida Torre do Reló­gio, o Palácio do Alcaide e a Igreja Paroquial de São João Baptista, também extinta, desapareceu intencionalmente, para utilização da pedra e outros materiais, em época desconhecida. Em l de Janeiro de 1914 inaugurou-se o Asilo Montemorense de Infância Desvalida, à custa das Confrarias de Montemor, no Convento da Saudação; o qual se transferiu para a antiga Casa da Guarda (Palácio de Valênças),


montn09[1].jpg


junto à Torre do Relógio, no ano de 1918, por oferta da sua proprietária, a Condessa de Valênças, D. GuiIhermina Anjos Jardim; de onde se transferiu para uma casa junto à Câmara Municipal, cerca de 1970.


File0274.jpg


Torre do Anjo


File0279.jpg


Também chamada de Santarém, de Lisboa e da Vila.


Com duas fortíssimas torres a ladeá-la e protegê-la, ocupava uma situação excepcional, voltada a San­tarém, dela se avistava um vastíssimo panorama en­volvente.


Estava encostada a uma grande Cisterna de águas pluviais, que protegia. Sobre a parte mais al­ta, tinha em ferro, como cata-vento, a silhueta de um anjo.


Na parte superior des­sa torre mandaram os Con­des de Santa Cruz construir uma casa de recreio, cujo acesso se fazia pelo Palácio dos Alcaides. Ali existiu também uma capelinha dedicada a Nossa Senhora. Segundo uma carta régia de D. Manuel I, de 11 de Junho de 1504, parece que foi oficializada, com Procissão, a Consagração de Montemor ao Anjo da Guarda de Portugal.


As torres que protegem esta Porta foram mandadas construir por D. Diniz que mandou também calcetar esta e as restantes torres deste Castelo.


Esta fortíssima Porta Militar sofreu bastantes estragos com o Terramoto de 1755.


File0286.jpg


A Quarta Porta


Também chamada Postigo, já em 1444 e de Évora, desa­pareceu completamente no séc. XIX, com o aproveitamento dos seus materiais, incluindo os da muralha anexa, para construções efectuadas na vila, já depois de 1910.


Para conservação dos castelos, em Montemor-o-Novo como em todo o país, uma terça parte das receitas dos concelhos, até 30-06-1860, foi sempre obrigatoriamente reservada para as despesas com a conservação dos castelos. Nessa data de 1860, tendo evoluído notavelmente a arte militar e vivendo a po­pulação de Montemor-o-Novo, já quase toda, fora das muralhas do seu Castelo, só o crescente valor turístico desse grandioso conjunto de fortificações, ainda mal avaliado, justificaria o sacrifício dos contribuintes.


Uma carta de lei suprimiu a contribuição tributária das po­pulações, extinguindo as terças partes das receitas públicas na defesa dos castelos, a partir de 1860.


Infelizmente, no caso do Castelo de Montemor-o-Novo, a gran­deza desse conjunto monumental ainda não encontrou meio de obter a reconstrução de que precisa.


http://www.monumentos.pt/scripts/zope.pcgi/ipa/pages/ficha_ipa?nipa=0706040011

publicado por GAM às 14:09
link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De 28rapaz28 a 18 de Abril de 2007 às 23:29
ver meu websitte http://luxuspt.com.sapo.pt/


De fdbdf a 16 de Janeiro de 2009 às 11:24
gzx hhvhdn d


De manuel jacinto a 18 de Agosto de 2009 às 23:27
boa noite
gostaria de saber se é possivel comprar o livro de Margarida Ribeiro sobre Olaria de uso domestico

Obrigado


De isabel venancio a 12 de Abril de 2015 às 23:36
Em visita ao Castelo de Montemor o Novo, em pleno dia (13h45m), arrombaram-nos a porta do carro e roubaram-nos tudo. Ao que parece é pratica corrente, e a GNR, não tem agido, aliás nem se pode ser assaltado ao domingo, porque o sistema informático, alegadamente não passa "comprovativos" da queixa-crime, pelo que fui até aconselhada a fazer a participação na 2ª feira na minha area de residência a mais 500km de distância.
É um local turistico, bem perto da GNR, contudo existem profissionais do alheio, que abrem portas das viaturas e apoderam-se dos bens dos outros. Convém fazer vigilância no local, ou colocar uma placa a avisar dos sucessivos assaltos. É lamentável que se fique com tão má impressão de Montemor-o-novo. Por favor passem o aviso, nós tivemos um prejuízo enorme, e não queremos que mais ninguém seja apanhado desprevenido, a pensar que estão num local seguro, como nós erradamente pensávamos.
cumprimentos,
Isabel Venâncio


De Leticia Santos a 13 de Abril de 2015 às 15:31
Cara srª Isabel Venâncio, em Montemor-o-Novo não é habitual haver assaltos, e se os há é como em todo o lado do país e em todo o mundo, pois a marginalidade é em todos os cantos do mundo.

E a falta de condições nos serviços da Guarda Republicana de Portugal é igual em todos os lados, logo em qualquer parte do país existe falta de condições para prestar qualquer serviço e os nosso governantes não querem saber.... é o que temos infelizmente e em Lisboa não é diferente.


De isabel a 15 de Abril de 2015 às 12:00
Eu disse ola a uma pedra e como ela nao me respondeu inventei um assalto em que fiquei lesada acima de mil euros... Sinceramente...


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Agenda

. Historial

. Escola de Música

. Das Ruinas ao Convento

. Núcleo Museológico

. Boletim Informativo

. Livraria do Convento

. Montemor-o-Novo

. Castelo de Montemor-o-Nov...

.arquivos

. Julho 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Agosto 2005

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds